Categoria: Saúde e Cultura

6 hábitos que ajudarão a melhorar a sua vida sexual

Ter uma vida sexual ativa é um aspecto que influencia fortemente o humor, a saúde emocional e o bem estar físico.

Embora associemos sexo com prazer e reprodução, os seus benefícios vão além e, de fato, podem comprometer as funções de vários sistemas do corpo.

É necessário também observar que é um dos pilares mais importantes dos relacionamentos, não só porque fortalece os laços emocionais, mas também porque melhora a comunicação e a confiança.

O problema é que, às vezes, a libido pode diminuir e, uma vez que haja redução no desempenho sexual ou a plenitude não é atingida, os problemas começam a surgir.

Por esta razão é importante manter um estilo de vida saudável, e colocar em prática aqueles hábitos que podem favorecer esta área.

A seguir, queremos compartilhar 6 princípios que, sem dúvida alguma, devem fazer parte da sua vida.

Descubra-os!

vida sexual

1. Tenha uma alimentação saudável

Apesar de ignorado pela maioria das pessoas, ótimos hábitos de alimentação influenciam muito na libido, assim como no desempenho sexual.

Enquanto que uma dieta baseada em gorduras e ingredientes processados pode afetar a atividade dos hormônios sexuais, os alimentos orgânicos podem ajudar a melhorar a saúde e o desempenho sexual.

Estes são uma fonte significativa de energia e nutrientes essenciais que, além de melhorar o estado físico, mantêm os hormônios em perfeito equilíbrio.

Vale a pena destacar que, além disso, existem alguns alimentos com propriedades afrodisíacas que, quando consumidos regularmente podem aumentar o desejo sexual.

Mantenha o consumo de:

  • Frutas e vegetais frescos.
  • Cereais integrais.
  • Grãos e legumes.
  • Carnes magras.
  • Pescado.

2. Administre o estresse

O estresse é um dos principais inimigos da vida sexual, tanto nos homens como nas mulheres.

O excesso de trabalho, as discussões entre o casal e os problemas econômicos podem aumentar este estado de ânimo que, por sua vez diminui o desejo sexual.

A falta de controle aumenta a sensação de cansaço físico, ainda que não percebamos, e influencia também no descontrole dos níveis de alguns hormônios.

Por causa disso, é importante administrar de forma adequada, colocando em prática algumas terapias de relaxamento, descanso e a realização de atividades prazerosas.

3. Fazer exercício físico

Todos aqueles que estão atravessando alguma crise deveriam levar em consideração os múltiplos benefícios dos exercícios físicos para o âmbito sexual.

Este hábito, que melhora muitos aspectos da saúde física, aumenta a produção dos hormônios do bem estar e, com isso, ajuda a melhorar a libido.

A prática diária mantém os hormônios em equilíbrio como a serotonina e as endorfinas, ambos associados com as relações sexuais prazerosas.

Também permitem fortalecer os músculos do todo o corpo e, ao melhorar o rendimento físico, ajuda a obter relações mais duradouras.

Na verdade, essas atividades destinadas a fortalecer o assoalho pélvico podem ajudar em casos de disfunções sexuais como o vaginismo e anorgasmia.

4. Evite o tabaco

Um grande número dos casos de pessoas com problemas em suas vidas sexuais está relacionado com o vício do uso do tabaco.

As disfunções sexuais, assim como a diminuição da libido, podem ser produzidas pelos efeitos das toxinas presentes nos cigarros.

Estas substâncias comprometem a atividade dos hormônios sexuais e, por afetarem a circulação, também interferem no funcionamento dos órgãos reprodutores.

5. Evite relações tóxicas

O plano emocional é um pilar muito importante no âmbito sexual e, portanto, uma relação tóxica pode impedir a obtenção da plenitude.

No relacionamento entre os casais é necessário sentir confiança, cumplicidade e amor, de forma mutua, pois esses são componentes que levam a um melhor entendimento nas relações sexuais.

Aqueles que são vítimas de depressão, chantagem ou violência por parte do seu parceiro ou parceira, não desfrutam do prazer do ato sexual, mas de alguma forma, o fazem por obrigação.

É importante identificar estes comportamentos, já que a falta de controle pode gerar impactos físicos e emocionais na vítima.

6. Melhorar a informação sexual

É isso mesmo! A educação sexual é fundamental para melhorar a qualidade da vida sexual em todos os aspectos.

Isso não somente permite conhecer, mas também pode melhorar o ato sexual em si, pois ajuda a fomentar o autoconhecimento dos nossos corpos e dos elementos necessários para alcançar a plenitude.

Por outro lado, é um componente essencial para a saúde reprodutiva, já que não somente traz informação sobre gravidez, mas também ajuda a conhecer práticas e riscos e os métodos mais eficientes para evitar.

É claro que, além dos hábitos acima referidos, muitos outros influenciam a vida sexual, e também devem ser considerados quando algo errado acontece.

Estabelecer uma boa comunicação com o parceiro ou parceira e sair da rotina são outros componentes adicionais que também ajudam a melhorar o quadro.

Leve em consideração estas recomendações, independente de estar ou não passando por dificuldades em seu âmbito sexual.

5 dicas para evitar a presença de gordura abdominal

A maioria das pessoas sabe que o acúmulo de gordura na região abdominal do corpo é um pouco antiestética, mas isso não é tudo. Também é arriscado para a saúde, pois pode provocar a presença de doenças tais como a diabetes mellitus tipo 2, hipertensão, cancro, gordura no fígado, infertilidade, impotência, envelhecimento precoce, entre outras.

A gordura abdominal é considerada metabolicamente ativa em comparação com a subcutânea, assim que seu aumento está relacionado a uma diminuição do colesterol bom e o aumento do colesterol ruim e triglicérides.

gordura abdominal

Portanto, aqui estão algumas dicas para evitar a presença da obesidade abdominal.

1. CAFÉ DA MANHÃ CORRETO E SAUDÁVEL
Não consumir alimentos não saudáveis e de maneira desordenada, pois isso promove o armazenamento de gordura localizada já na primeira refeição do dia.

2. PRATICAR EXERCÍCIOS FÍSICOS
Se você é uma pessoa sedentária, o seu corpo vai começar a acumular mais gordura corporal, por isso é melhor se manter em constante movimento.

3. EVITE ESTRESSE
Uma atitude mais relaxada e calma ajuda seu corpo se manter longe do estresse e da ansiedade

4. MEÇA SUA CINTURA
Manter o controle da circunferência da sua cintura vai ajudar a evitar a presença de gordura abdominal localizada. Para conseguir isso, é recomendado em mulheres até 88 cm e em homens até 102 cm.

5. EXAMES MÉDICOS PERIÓDICOS
Consulte um médico regularmente para exames médicos, isso pode ajudar na prevenção de qualquer doença.

Vale a pena ressaltar que nos homens o aumento da gordura abdominal promove a diminuição da libido e a impotência, enquanto que nas mulheres foi verificado um aumento na quantidade de andrógenos, associado ao aparecimento de ovários policísticos, o que representa problemas futuros de ovulação e infertilidade.

Adoçantes estão associados ao ganho de peso e a várias doenças a longo prazo

Evidências recentes sugerem que esses produtos podem ter efeitos adversos sobre o metabolismo do açúcar nas bactérias digestivas e no controle do apetite.

Uma das primeiras armas que lançam mão quando se trata de perder peso são os adoçantes. Seja em bebidas, sucos, leite, sobremesas, bolos ou adicionados diretamente no chá ou café, produtos como o aspartame, sucralose e estévia são cada vez mais consumidos em todo o mundo.

Mas, como acontece muitas vezes, depois de viver seus anos de fama, os adoçantes estão cada vez mais sendo questionados.

Por esta razão, muitos países decidiram analisar as evidências existentes sobre os benefícios destes produtos, bem como seus possíveis riscos para a saúde, a fim de fornecer orientações sobre o assunto.

Recentemente, um estudo realizado por pesquisadores da Universidade de Manitoba, no Canadá, analisou 37 estudos sobre adoçantes, concluindo que estão associados com o ganho de peso a longo prazo, bem como uma série de problemas metabólicos e de saúde cardiovascular.

Os resultados desta análise estão publicados na revista da Associação Médica Canadense.

Adoçantes

Precaução

A revisão foi realizada por pesquisadores do Centro de Inovação em Saúde George & Fay Yee, da Universidade de Manitoba. Foram incluídas mais de 400 mil pessoas.

Dos estudos totais, sete foram randomizados e clinicamente controlados por um período de seis meses. Nenhum deles conseguiu demonstrar um efeito consistente de redução de peso. Enquanto isso, os outros 30 trabalhos observaram pessoas com mais de 10 anos de idade, e no caso delas mostraram uma associação entre o consumo de adoçantes e um aumento do risco de ganho de peso e obesidade, hipertensão arterial, diabetes tipo 2 e problemas cardíacos .

“Apesar do fato de que milhões de pessoas usam adoçantes rotineiramente, poucos pacientes foram incluídos em ensaios clínicos destes produtos,” diz o Dr. Ryan Zarychanski, um dos autores do estudo e professor da Faculdade Rady de Ciências da Saúde, da Universidade de Manitoba. “Descobrimos que os dados desses ensaios clínicos não suportam claramente os benefícios para o controle de peso que esses adoçantes afirmam promover”, acrescenta.

“Neste caso, é preciso tomar cuidado até que os efeitos na saúde a longo prazo com o uso de adoçantes estejam completamente descritos,” diz a Dra. Meghan Azad, que liderou o trabalho na U. de Manitoba. Ela está iniciando um estudo para entender como o consumo de adoçantes por mulheres grávidas pode influenciar o ganho de peso, o metabolismo e as bactérias digestivas.

“Devido ao uso cada vez mais generalizado de adoçantes e a atual epidemia de obesidade e doenças relacionadas, é necessário mais investigação para determinar os riscos e benefícios desses produtos a longo prazo”, disse Azad.